Pages Menu
Categories Menu

Posted in Ciência e Tecnologia

Breakthrough Starshot – A humanidade transcendendo seus limites

Breakthrough Starshot – A humanidade transcendendo seus limites

Nas instalações do One World Observatory, no alto do novo World Trade Center na cidade de Nova York, em 12 de Abril de 2016, um grupo de cientistas – entre eles o físico e cosmólogo Inglês Stephen Hawking – fez um anúncio que eleva mais uma vez o espírito humano rumo à descoberta e a busca do conhecimento.

Se pudéssemos comparar com a própria história da humanidade, obviamente guardando as devidas proporções, estaríamos diante de algo como o anúncio que levou à construção das caravelas e a consequente descoberta do “novo mundo”.

E justamente do “novo mundo”, veio o anúncio que a humanidade chega a um ponto em seu desenvolvimento, no qual poderá iniciar o envio de sondas robóticas para outros sistemas estelares.

Durante a conferência ficou claro que ainda não temos toda a tecnologia necessária para enviar nossos emissários às estrelas, mas estamos muito próximos de dominar este conhecimento. Cumprida esta etapa, poderemos lançar naves interestelares com frequência até maior que a dos lançamentos dos foguetes que atualmente enviamos para a órbita terrestre ou para outros destinos no nosso sistema solar.

Lançamento de Espaçonave desde o Centro Espacial Kennedy na Flórida-EUA

Lançamento de Espaçonave

O destino proposto é Alpha Centauro, que é a estrela mais próxima do nosso Sol e apesar de ser visível a olho nu durante a noite, ela encontra-se a uma distância de cerca de 4,3 anos-luz (25 trilhões de milhas ou 40,23 trilhões de quilômetros) de nós. Esta distância para os padrões humanos é quase impensável e com certeza, com nossa tecnologia atual, inatingível.

No hemisfério sul, é possível identificar facilmente a estrela Alpha Centauro. Ela encontra-se à esquerda do Cruzeiro do Sul e é bastante brilhante. A representação abaixo torna a identificação bastante fácil.

Alpha Centauro indicada na imagem

Alpha Centauro indicada na imagem

A atual tecnologia de propulsão de foguetes é, por si só, um grande obstáculo para a exploração interestelar. Com a tecnologia atual seriam necessários 30.000 anos para que uma sonda chegasse a Alpha Centauro por exemplo.

O anúncio feito em 12 de Abril apresenta a ideia da construção de naves que não pesarão mais que alguns gramas. Estas naves contarão com nanotecnologia concentrada em um “núcleo” onde estarão os sistemas vitais, além de câmeras e emissores de sinais e laser para enviar para a terra toda informação obtida durante as viagens. Muito dessa tecnologia deverá ser criada para permitir a realização do feito.

E, assim como em todos os grandes desafios que a humanidade enfrentou, podemos acreditar que a criação de novas tecnologias trará avanços não só no campo da exploração espacial como também a outros segmentos do conhecimento, como por exemplo a medicina, a agricultura, os transportes e as comunicações. Ou seja, um novo salto no desenvolvimento.

Assim como nas caravelas, a propulsão será através de uma vela. Obviamente a vela não contará com o vento para mover a minúscula cápsula interestelar. Não. O propulsor desta vela será a luz.

Silhueta de Barcos a Vela com o Sol ao fundo

Velas serão o futuro

A tecnologia proposta contará com materiais sensíveis à luz que transformarão um feixe luminoso em movimento para na nave.

Como será isso? Será a luz do sol que movimentará a espaçonave proposta? Não.

A proposta é que uma matriz de emissores laser será construída e disparada a partir da terra para acelerar as nano-naves. Eles serão apontados para as velas em órbita. Com o disparo dos lasers a espaçonave deverá atingir 20% da velocidade da luz (ou aproximadamente 60.000Km/s) em questão de minutos. Com esta velocidade a nave chegará às proximidades de Alpha Centauro em aproximadamente 20anos. 

Os céus chamam por nós.

Se não nos destruirmos, um dia nos aventuraremos para as estrelas”

(Carl Sagan)

 Veja aqui a animação feita para representar um lançamento.

Várias velas serão lançadas para a óbita terrestre dentro de uma nave-mãe que liberará cada uma delas.

Depois os lasers em terra serão apontados para a vela e disparados. Permitindo, dessa forma, o lançamento quase simultâneo de várias naves para o mesmo destino ou para destinos diferentes.

Como disse o Professor Stephen Hawking durante o anúncio:

“Não há maior aspiração do que alcançar as estrelas.

O que torna os seres humanos únicos? Existem muitas teorias. Alguns dizem que é linguagem ou nossas ferramentas, outros dizem que é raciocínio lógico. Eles, obviamente, não conheceram muitos seres humanos.

Eu acredito que o quê nos torna únicos é transcender nossos limites. A gravidade nos prende ao chão, entretanto eu acabei de voar para a América. Eu perdi a minha voz, todavia eu ainda posso falar. Como podemos transcender esses limites? Com nossas mentes e nossas máquinas.

O limite que agora nos confronta é o grande vazio entre nós e as estrelas. Mas agora podemos transcendê-lo, com feixes de luz e velas de luz e com a nave espacial mais leve que já construímos, podemos lançar uma missão para Alpha Centauro dentro do período de uma geração”.

 Ainda não há detalhes sobre o controle dessas naves e como cada uma se comportará. Acreditamos que com o andamento do projeto e das pesquisas, novas informações estarão disponíveis. De qualquer forma, é interessante saber que já existe um grupo de pessoas pensando em desenvolver tão audacioso projeto.

Para financiar o desenvolvimento das tecnologias necessárias, Stephen Hawking se associou ao bilionário russo Yuri Milner e a Mark Zuckerberg. A previsão é que será possível construir a nave interestelar nos próximos anos (ou décadas) e que a espaçonave será capaz de viajar a incríveis 20% da velocidade da luz (algo como 60.000 Km/s). Desta forma, a nave conseguiria atingir as proximidades de Alpha Centauro em aproximadamente 20 anos.


O orçamento inicial para patrocinar a pesquisa e a construção dos protótipos? US$ 100.000.000,00 (Cem milhões de dólares americanos).

O site da iniciativa, relaciona algumas das tarefas necessárias para atingir o objetivo proposto:

  • Construir, em escala quilométrica, um emissor laser no solo em alta altitude e em local seco;

  • Gerar e armazenar alguns GW h (giga watt hora) por lançamento;

  • Lançar uma “nave mãe” que poderá transportar milhares de nano-naves a uma órbita de alta altitude;

  • Tirar partido da tecnologia ótica adaptativa em tempo real para compensar os efeitos atmosféricos;

  • Focar os raios luminosos na vela para acelerar nano-naves para a velocidade desejada em minutos;

  • Considerar a possibilidade de colisões com poeira espacial no caminho para o destino;

  • Capturar imagens de um planeta e outros dados científicos, e transmiti-los para a Terra, usando um sistema de comunicação compacto a laser;

  • Utilizar a mesma matriz de emissão de laser para receber os dados das naves;

O conselho administrativo deste empreendimento é composto por:

A ambição é grande e os desafios também, mas os ganhos serão igualmente grandes. Estamos prestes a iniciar uma nova era de descobertas e compreensão sobre o cosmos do qual somos testemunha de sua grandeza.

Pessoa observando o céu noturno

Quando você contempla o céu noturno, não é você que vê o universo,

mas o universo – em forma humana – vendo a si mesmo”.

(Neil DeGrasse Tyson)

Para Saber Mais:

Link Para o Site – Breakthrough Initiatives – Em inglês

Mais no Matéria Escura

Luas do Sistema Solar

Energia Solar – Sem Poluição

ISS – Estação Espacial Internacional

Logo Matéria Escura

Pin It on Pinterest

Shares
Share This