Pages Menu
Categories Menu

Posted in Viagens

Budapeste – Visitar, conhecer e aproveitar

Budapeste – Visitar, conhecer e aproveitar

Localizada às margens do rio Danúbio, Budapeste, capital da Hungria, concede aos turistas momentos únicos, tamanha sua grandeza monumental e suas belezas naturais. Através de ruas e pontos turísticos deslumbrantes, a cidade promete uma oportunidade única de mostrar seu glamour e prestígio que remetem aos mais de 1000 da Hungria.

Os fundadores do país foram os Magiares, um povo originário dos Montes Urais, que invadiram a Europa Central e estabeleceram-se na Bacia dos Cárpatos no Século IX, fundando um Estado que que hoje conhecemos como Hungria.

Budapeste é a união de duas cidades às margens do Rio Danúbio. Buda (Ôbuda) e suas colinas que fica na margem direita, com Peste e suas planícies à margem esquerda.

budapest-313205_1280-001

Chegado a Budapeste – Não há voos diretos do Brasil para Budapeste. A opção é voar para uma outra capital Europeia onde faz-se uma conexão. A duração da viagem aérea, partindo de São Paulo ou Rio de Janeiro é de cerca de 17 horas.

No aeroporto internacional de Ferihegy, que é o maior da Hungria, existe um serviço chamado de shuttle-bus, que transporta os turistas para seus hotéis mas este tipo de transporte pode tomar algum tempo até chegar ao seu hotel. O táxi em Budapeste é uma boa opção.

Uma alternativa para quem já estiver na Europa é chegar através de trem ou com os barcos que fazem cruzeiros pelo Rio Danúbio.

Budapest - Train - railjet-426676_1280-001

Trem da companhia Austriaca OBB

A viagem de trem entre Viena e Budapeste é bastante rápida, os trens são pontuais e seguros. Na chegada a Budapeste pode-se utilizar um táxi ou mesmo o metrô para chegar ao seu hotel de preferência.

Comunicação – O Húngaro é um idioma único, com sons e escrita bastante diferente do nosso dia-a-dia. Um simples obrigado (Köszönöm szépen – lê-se: quê-cênem sêpén), pode ser um desafio. Há quem diga que o Húngaro é o único idioma que o diabo respeita, tal a dificuldade em aprende-lo.

Por ter feito parte do império Austro-Húngaro e devido à longa permanência dos Russos após a segunda guerra mundial, as melhores opções de idioma para se comunicar com os nativos, além do Húngaro, são o Alemão e o Russo. Se bem que, atualmente, nos hotéis, restaurantes e pontos turísticos pode-se usar o Inglês.

Câmbio – A moeda local é o Florim Húngaro (ou HUF). Trezentos florins equivalem a aproximadamente 1 dólar. O custo de vida na capital não é dos mais baixos. Budapest - Forint Na verdade, se comparado a grandes cidades do Brasil como São Paulo, Porto Alegre ou Rio de Janeiro, as diferenças não serão muito grandes.

Como a moeda oficial não é o euro, o recomendado é que se leve o dinheiro em dólares ou euros e troque pela moeda local chegando lá. Dessa maneira, evita-se a sobra da moeda local que não poderá ser novamente trocada. Evite trocar euros ou dólares por florins em outra capital europeia. As taxas utilizadas são muito desfavoráveis aos turistas se comparadas aos valores praticados em Budapeste.

 Comidas típicas – Após a longa viagem e um banho no hotel, nada melhor que um bom restaurante. Mas atenção. Se você não é um apreciador de alimentos apimentados, preste atenção ao cardápio.

Na culinária húngara é muito comum o uso de temperos e condimentos picantes nos alimentos, como pimenta, páprica, pimentão e alho.

Budapest - game-goulash-662147_1280

Gloulash

O Goulash, prato típico da Hungria, é um tipo de sopa feita com carne bovina em cubos (também pode levar outros tipos de carne, como a suína) misturada com especiarias, legumes, batata e bastante páprica, além do uso de alguns tipos de pimenta (condimento presente em muitos pratos).

Outro prato típico do país é o Porkolt, bem semelhante ao Goulash. É feito também com cubos de carne e especiarias como a páprica, mas não vai batata na receita, além do Goulash levar mais molho que o Porkolt. Agora, se lembram da animação Pixar, Ratatouille? Esse nome é na verdade o nome de uma receita, mas não é originária da Hungria. Na verdade, um prato típico do país, o Lecsó, recebe esse nome por ser semelhante ao prato. É uma mistura de pimentão, pimenta, cebola e tomates, e pode ser frito em óleo de bacon. O prato pode ser servido tanto no café da manhã quanto no almoço e jantar, tendo acompanhamentos diferentes.

Um prato típico, cujo nome é bastante complicado, é o Kürtőskalács. Apesar do nome, talvez a receita seja um familiar para alguns. É uma massa enrolada e assada com manteiga, até ficar dourada, com forma de cone e salpicada com açúcar e canela. Outra sobremesa típica é a Somlói Galuska. É um bolo feito com nozes e uva passa, podendo ter diferentes sabores como baunilha e chocolate, mas sua peculiaridade consiste no fato de ser mergulhado em rum (uma sobremesa não muito indicada para crianças).

 Segurança – Quanto à segurança nos locais, não é necessário se preocupar em demasia com isso. O país, de forma geral, é seguro e o índice de criminalidade e violência é quase zero. A cidade é muito mais segura que qualquer capital ou grande cidade brasileira. Mesmo quando comparada com outras  grandes capitais ao redor do mundo, Budapeste pode ser considerada uma cidade tranquila. Claro, nenhum lugar está livre de perigos, mas a maior queixa na capital são os furtos de carteiras ou aparelhos telefônicos, principalmente em atrações com muita gente, onde o furto passará despercebido. Há relatos de brasileiros que foram morar na Hungria de pura admiração, pois é muito difícil assistir um jornal e ver tantas notícias de assaltos, assassinatos e acidentes (envolvendo bebida e direção, principalmente) quanto no Brasil. Não seria descomunal esquecer um objeto pessoal em um lugar público e encontrá-lo no mesmo lugar, algumas horas depois.

Pontos turísticos e principais atrações – A capital é repleta de paisagens e monumentos que maravilham a quem visita. É difícil conseguir visitar todos os lugares, mas abaixo falaremos um pouco sobre os principais pontos a serem visitados.

Parlamento – Não só é o maior monumento da Hungria como um dos mais antigos parlamentos da Europa. Com uma mistura de estilo renascentista e barroco e com mais de 700 salas, a arquitetura do edifício é um espetáculo por dentro e por fora. Localizado na Kossuth Lajos Ter (Ter=Praça), às margens do Danúbio, os ingressos possuem preços acessíveis, em torno de R$60,00 para visitação. É permitido filmar e fotografar todas as salas do parlamento, com exceção do Grande Salão da Cúpula, local onde se encontra a Santa Coroa.

budapest-705825_1280

Não é fácil conseguir os ingressos para a visita ao Parlamento, uma vez que apenas alguns ingressos para visitas guiadas, são vendidos a cada dia. Assim sendo, formam-se filas para obtenção destes poucos ingressos.

Alguns hotéis conseguem reservar ingressos para o dia seguinte. Esta é a forma mais tranquila de conseguir acesso ao Parlamento. O hotel envia um e-mail à administração do Parlamento. Com a resposta impressa você conseguirá seu ingresso mas você deverá estar na fila na hora que o segurança chamar as pessoas que tem reserva feira, em húngaro é claro.

Link para o Centro de Visitantes do Parlamento Húngaro (em inglês): clique aqui

Termas – A cidade conta com diversas opções como clubes e casas com piscinas de águas termais. Existem também diversas opções de piscinas com hidromassagens, correntes ou temperaturas diferentes. As piscinas são abastecidas com águas que brotam de duas fontes termais, e possuem propriedades curativas e relaxantes.

Imagem de Budapest - Gellert Bath

Na maioria das casas, é possível encontrar serviços de bares e restaurantes além de poder alugar trajes de banho, caso não tenhas o seu. A sugestão é levar sua roupa de banho e toalha. Às vezes pode demorar para conseguir o necessário.

Foto das piscinas do Banho Szechenyi

Banho Szechenyi

Pontes – Ao longo de Budapeste, há nove pontes que cortam todo o rio Danúbio. Durante a noite recebem luzes especiais, exibindo uma beleza fascinante. Das nove, duas só servem para os trens. Três principais pontes são as Pontes das Correntes, Ponte da Liberdade, Ponte Elizabeth, as que recebem um maior número de turistas.

A ponte das correntes (Széchenyi lánchíd), foi a primeira ponte permanente entre as duas cidades (Buda e Peste) que à época estavam separadas pelo Danúbio.  A construção foi em 1849. A construção de uma ligação permanente entre as cidades foi decisiva para uní-las definitivamente como uma única cidade.

Durante a segunda guerra mundial todas as pontes da cidade foram destruídas pelos nazistas. A reconstrução só se deu após o final do conflito.

A ponte das correntes é um dos cartões postais mais conhecidos de Budapeste em todo o mundo.

budapest-656741_1280-Chain Bridge

Passeio de barco pelo Danúbio – Não é dificil encontrar vários passeios vendidos por agências de turismo e pelos próprios barcos. Estes passeios não são muito baratos mas trazem a exclusividade de um passeio com um guia explcando os pontos por onde se passa e em alguns casos, está incluído um jartar ou bebidas.

O que poucos sabem é que, nos dias úteis, os seus bilhetes de metrô, com validade para 24 ou 72 horas dão direito aos demais meios de transporte da cidade, como os bondes (tram) ou os barcos.

Budapeste Tram and Boat

Pode-se por exemplo, pegar o barco (como um ônibus), na parada 8 – Petőfi tér (Erzsébet híd). Neste ponto para o barco da linha D13. Pode-se pesquisar no google maps para ver os demais pontos e as linhas que os atendem (no mapa do google bastar parar o ponteiro do mouse sobre o ponto indicado no mapa para ver a linha correspondente). A sugestão é fazer o passeio assim que o sol se põe. A vista da cidade a partir do Danúbio é inesquecível.

Para mais informações sobre os bilhetes para os barcos em Budapeste, clique aqui.

Museu do terror – O nome não é para menos. Na época da 2ª guerra mundial, a Hungria foi aliada à Alemanha e o edifício hoje que dá lugar ao museu foi sede do partido nazista local onde várias pessoas perderam suas vidas. Ao final da segunda guerra mundial, a União Soviética passou a comandar o local sem interromper a rotina de mortes e tortura. Na entrada do museu há um veículo blindado e fotos de muitas das pessoas que foram torturadas e assassinadas na guerra. O museu conta com um grande acervo de roupas, objetos pessoais dos nazistas, vídeos e fotos da cidade devastada pela guerra e algumas instalações que foram conservadas.

Castelo de Buda – Não, o castelo não faz referência alguma sobre o Siddhartha. Buda é a a porção ocidental da capital, sendo que sua união com Peste data de 1873.

Imagem do Castelo de Buda

Castelo de Buda e, ao fundo a Igreja de São Mathias

É um castelo histórico dos reis da Hungria, e fica a mais de 150 metros de altura. O interior conta com a biblioteca nacional, igreja, museus e uma atração recentemente fechada, o labirinto do castelo, que serviu na época da guerra como refúgio e esconderijo de militares.

 

Igreja de São Mathias

Imagem da Igreja de Sâo Mathias

Igreja de São Mathias

Originalmente construída em 1015 e destruída pelos Mongois em 1241, a Igreja de São Mathias originalmente foi chamada de Igreja de Virgem Maria, e foi renomeada para “A igreja de Maria” e “A Igreja de Nossa Senhora”. Recebeu o nome de São Mathias e homenagem ao Rei Mathias no século 19.

Esta igreja foi palco de diversas coroações, inclusive a de Carlos IV em 1916 (o último Rei da dinastia dos Habsburgo) .


Para Saber mais

Budapeste na Wikipedia

Site de Budapeste na Hungria (em Inglês)

Os textos de alguns links sugeridos neste artigo estão em inglês mas, caso necessário, pode-se usar o Google Translate para fazer a tradução e facilitar o entendimento.

Mais no Matéria Escura

Praga – Medieval, histórica e atual

Lisboa, Porto e Madeira – Sem o medo do idioma

Nova York – Dicas de um Turista Acidental

Pontes Para Conhecer no Mundo


ME4-icone-50pc

Pin It on Pinterest

Shares
Share This